SEJA BEM-VINDO - Odontoclínica (84) 9 8727-4192/ 0800 020 5998 - Drogaria e Conveniência Muniz (84) 3259-0017/3636-0089/3258-2659 - Mercadinho São Luiz (84) 9 8735-0313 - Loja Bárbara (84) 3251-2349/9 9623-9548 - Monteiro Marques Advogados (84) 9 8836-9383/9 9709-9709 - FPCruz Advogados Associados (84) 9 9414-1317/ 3251-2080 - Visão Contabilidade (84) 9 9110-5675/9 9221-3030 - SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR.

24 maio, 2017

Segundo cientistas, asteroide que exterminou os dinossauros “não poderia ter caído em um lugar pior”

Segundo os cientistas, não poderia haver pior lugar para o asteroide de 15km de diâmetro responsável pela extinção dos dinossauros ter caído. Para chegar à conclusão, os pesquisadores perfuraram rochas do oceano do Golfo do México atingidas pelo asteroide há 66 milhões de anos. De acordo com o site da BBC, o asteroide atingiu uma área rasa do mar, chocou-se com as rochas de gesso mineral liberando alta quantidade de enxofre na atmosfera, prolongando o período de “inverno global”. Como os gases de enxofre são tóxicos e densos, caso o asteroide tivesse caído em outra região, poderia ter outro final.
“É aí que está a grande ironia da história, porque no final das contas não foi o tamanho do asteroide, a escala da explosão ou seu impacto global que levou à extinção dos dinossauros; foi onde o impacto ocorreu“, explicou o biólogo Ben Garrod.”Se o asteroide tivesse caído momentos antes ou depois, em vez de atingir a costa de águas rasas, ele poderia ter se chocado com o oceano profundo“, completou.
“Um impacto nos oceanos Atlântico ou Pacífico significaria muito menos rochas vaporizadas – incluindo o mortal gesso. A nuvem seria menos densa, e a luz do sol poderia ter chegado à superfície do planeta, ou seja, o que aconteceu poderia ter sido evitado“. “Naquele mundo frio e escuro, a comida nos oceanos acabou em uma semana, e os alimentos em terra firme, pouco depois, interrompendo subitamente a cadeia alimentar. Sem nada para comer em lugar algum do planeta, os imponentes dinossauros tiveram pouca chance de sobrevivência“.

Entre abril e maio de 2016, Ben Garrod ficou na plataforma de perfuração a 30km de distância da Península Yucatan, no México –lugar em que uma expedição milionária estuda o ocorrido. No local foram coletados núcleos de rochas a 1,3km de profundidade no mar do golfo. O material estava em área da cratera conhecida como “anel de pico”. Ao analisar o conteúdo, a equipe coordenada pelos professores Jo Morgan e Sean Gulick, desejam reconstruir o impacto e as mudanças ambientais ocasionadas por ele.
Segundo os pesquisadores, o asteroide de 15km de diâmetro causou um buraco de 100km de extensão e 30km de profundidade na crosta terrestre. Posteriormente a área impactada colapsou e a cratera adquiriu 200km de extensão. O centro da cratera colapsou novamente e produziu um anel interno. Atualmente, grande parte da cratera está enterrada no mar, sob 600m de sedimentos. As bordas da cratera estão cobertas por calcário e formam diversas dolinas – cavidades naturais nas rochas dissolvidas pela água e que se tornaram atrações turísticas.
Jornal Ciência via BBC




Acesse a Postagem Original: http://blogdobg.com.br/#ixzz4i1ws8VI9