SEJA BEM-VINDO - Odontoclínica (84) 9 8727-4192/ 0800 020 5998 - Drogaria e Conveniência Muniz (84) 3259-0017/3636-0089/3258-2659 - Mercadinho São Luiz (84) 9 8735-0313 - Loja Bárbara (84) 3251-2349/9 9623-9548 - Monteiro Marques Advogados (84) 9 8836-9383/9 9709-9709 - FPCruz Advogados Associados (84) 9 9414-1317/ 3251-2080 - Visão Contabilidade (84) 9 9110-5675/9 9221-3030 - SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR.

08 junho, 2017

Ministro se desculpa por chamar Joaquim Barbosa de “negro de 1ª linha”

Joaquim Barbosa: segundo o ministro, a intenção era dizer que Barbosa é “um acadêmico negro de 1ª linha” (Nelson Jr./STF/Divulgação)

Bastante emocionado, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), se desculpou nesta quinta-feira, 8, por ter chamado o ex-ministro Joaquim Barbosa de “negro de primeira linha”.
Barroso fez o comentário ontem à noite durante um discurso em homenagem a Barbosa, que teve seu retrato incluído na galeria de ex-presidentes da Corte.
Barroso pediu a palavra logo no início da sessão do STF de hoje, que tem na pauta o julgamento de uma ação sobre cotas para negros nas vagas na administração pública federal.
Segundo o ministro, a sua intenção era dizer que Barbosa se tornou “um acadêmico negro de primeira linha” para “celebrar uma pessoa que havia rompido o cerco da subalternidade chegando ao topo da vida acadêmica”, mas se manifestou de “modo infeliz”.
“Não há brancos ou negros de primeira linha, porque as pessoas são todas iguais em dignidade e direitos, sendo merecedoras do mesmo respeito e consideração. Eu, portanto, gostaria de pedir desculpas às pessoas a quem possa ter ofendido ou magoado com esta frase infeliz. Gostaria de pedir desculpas, sobretudo, se involuntária e inconscientemente tiver reforçado um estereótipo racista que passei a vida tentando combater e derrotar”, disse o ministro com a voz embargada.
Ele afirmou ainda que foi aconselhado a não justificar a sua fala, pois desta forma daria mais visibilidade ao fato, mas considerou que a sua retratação seria uma “boa oportunidade para enfrentar o racismo à luz do dia, mesmo o que se esconde no nosso inconsciente”.
Estadão