SEJA BEM-VINDO - Odontoclínica (84) 9 8727-4192/ 0800 020 5998 - Drogaria e Conveniência Muniz (84) 3259-0017/3636-0089/3258-2659 - Mercadinho São Luiz (84) 9 8735-0313 - Loja Bárbara (84) 3251-2349/9 9623-9548 - Monteiro Marques Advogados (84) 9 8836-9383/9 9709-9709 - FPCruz Advogados Associados (84) 9 9414-1317/ 3251-2080 - Visão Contabilidade (84) 9 9110-5675/9 9221-3030 - SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR.

27 julho, 2017

Após expulsão do Estado Islâmico, historiador tenta reconstruir biblioteca da Universidade de Mossul

Voluntária de Mossul ajuda a empilhar os livros retirados da Biblioteca Central da Universidade de Mossul, após o Estado Islâmico deixar o prédio, depois de 19 meses usando a universidade como ponto militar estratégico (Foto: Ali Al-Baroodi)
Prédio virou quartel-general do EI e teve milhares de livros destruídos. Com retomada, historiador anônimo reúne voluntários para preservar obras que sobreviveram a 19 meses de ocupação.

m historiador iraquiano está tentando reconectar a cidade de Mossul com o resto do mundo com o resgate de livros e a reconstrução de uma biblioteca. Depois de dois anos e meio sob o domínio do Estado Islâmico (EI) e nove meses de batalha intensa entre os terroristas e o exército do Iraque, a cidade iraquiana ficou destruída e mais de 900 mil habitantes fugiram de suas casas.

Com a vitória do governo iraquiano, decretada em 9 de julho, os sobreviventes agora começam a reconstruir uma cidade devastada. E a Biblioteca Central da Universidade de Mossul virou um dos símbolos do desafio. "Eu vou trabalhar neste projeto até que eu sinta que a biblioteca voltou a ser um lugar onde pesquisadores de todo o mundo vão querer visitar", disse, em entrevista por telefone ao G1, o historiador, que só aceita se identificar pelo codinome de 'Mosul Eye' ('Olho de Mossul').

'Mosul Eye' não revela sua identidade, sua idade e conta apenas que estudou na universidade que agora quer ajudar a reerguer. Para preservar sua segurança, ele não aceita revelar o país onde vive, e afirma que nem os próprios voluntários locais (entre 20 e 40 pessoas com quem se comunica virtualmente) conhecem sua verdadeira identidade.

Ele conta que há cerca de um ano fugiu do Iraque por causa das constantes ameaças de morte – seu blog anônimo foi o primeiro a surgir após a invasão do EI, e virou uma fonte de informação da resistência aos terroristas para internautas e jornalistas de todas as partes do mundo. Continuar>>>>

Fonte: G1