Juros podem cair mais com inflação sob controle

Imagem relacionadaA expectativa para os juros ao final do ano caiu para 8,25%, no Focus, após a mediana ficar 12 semanas estável em 8,5%. A inflação sob controle contribuirá para confirmar a projeção. O IPCA de junho divulgado na sexta-feira confirmou a deflação forte no mês, de -0,23%, o que levou o acumulado em um ano a 3%. Por esse dado, o BC pode manter o ritmo de cortes nos juros em um ponto percentual por reunião. A Selic hoje está em 10,25%.

Nesse cenário político tão conturbado, que pode atraplhar as reformas, é uma espécie de vitória que tenha se mantido a expectativa de corte mais forte dos juros. Quando a política entra em parafuso, como agora, a economia normalmente fica paralisada, temendo uma crise de pânico que poderia afetar o câmbio. Em maio, no dia seguinte à revelação da conversa entre Joesley Batista e Michel Temer, houve um movimento nesse sentido. Se ele se estendesse, o dólar mais caro pressionaria a inflação e o BC poderia se ver obrigado a interromper o ciclo de quedas nos juros. Agora, apesar da crise, os juros vão continuar caindo. O BC, inclusive, talvez mantenha o ritmo.

Os números do Focus não são a expressão garantida da realidade no futuro do mercado, esse ser incorpóreo. Aquelas projeções foram coletadas com cerca de 100 instituições financeiras e consultorias. É natural que os juros caiam mais. A atividade está fria e a inflação caiu rapidamente nos últimos meses. A economia pode conviver com a Selic mais bem baixa para estimular a atividade porque não há risco inflacionário.

Presidente do BC, Ilan Goldfajn disse que a decisão sobre os juros vai depender dos indicadores da economia. A análise dos dados levará a conclusão semelhante à do relatório Focus, de que é possível reduzir mais a Selic.

Blog Miriam Leitão – O Globo