FESTA DAS ROSAS

FESTA DAS ROSAS
SEJA BEM-VINDO - Drogaria e Conveniência Muniz (84) 3259-0017/3636-0089/3258-2659 - Visão Contabilidade (84) 9 9110-5675/9 9221-3030 - SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Furacão Maria atinge ilha de Dominica com força máxima

Horas após alcançar a categoria 5 — a mais alta na escala Saffir-Simpson —, o furacão Maria atingiu a ilha de Dominica no Caribe, seu primeiro alvo na região que há pouco menos de duas semanas foi devastada pelo furacão Irma. Considerado extremamente perigoso e potencialmente catastrófico pelo Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, o furacão se intensificou de tal forma que saltou do nível um para cinco em poucas horas, provocando agora ventos que atingem até 255 quilômetros por hora.
Desde a tarde, moradores de Dominica, que tem 73 mil habitantes, reportaram nas redes sociais chuvas intensas, fortes ventos, inundações e ondas no litoral. Também reportaram árvores caídas e postes derrubados à medida que o clima se deteriorou ao longo do dia.
O primeiro-ministro de Dominica, Roosevelt Skerrit, afirmou pelo Twitter que o telhado de sua casa tinha sido arrancado pelo vento, ficando “totalmente à mercê do furacão”. Minutos depois, ele informou que foi resgatado. Durante esta segunda-feira, ele ordenou aos moradores que vivem nas áreas baixas que se retirassem para as zonas mais altas.
— Não esperem que o rio transborde para então tentar cruzá-lo ou caminhar através de ruas inundadas — advertiu em coletiva de imprensa.
Chamberlain Emanuel, chefe da comissão ambiental da Organização dos Estados do Leste do Caribe, emitiu alertas antes do Maria chegar à ilha:
— É uma situação realmente desesperadora. Estamos tentando ser resilientes, mas a vulnerabilidade é muito alta.
Alertas de furacão já foram emitidos nas ilhas de Guadalupe, Dominica, St. Kitts, Nevis, Montserrat e Martinica. Já Barbuda, Saba, St. Eustatius e St. Lucia receberam ordens de se preparar para uma tempestade tropical, ou seja, com ventos mais fracos durante a sua passagem.
Moradores de algumas ilhas da região começaram a sair de suas casas em antecipação à chegada do fenômeno. Porto Rico, território dos Estados Unidos que foi afetado pelo Irma há duas semanas, abriu refúgios e começou a desmantelar guindastes das obras de construção que poderiam ser vulneráveis aos fortes ventos do Maria.
O GLOBO