SEJA BEM-VINDO - Drogaria e Conveniência Muniz (84) 3259-0017/3636-0089 - Visão Contabilidade (84) 9 9110-5675/9 9221-3030 - CFC AUTO POTENGI (84) 3251-2627/ 9 9413-9088/ 9 9935-3295 - SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR.

domingo, 14 de janeiro de 2018

“Prefeita ostentação” vira ré de novo, agora por fraudes em aluguéis de carro

Atualmente em regime domiciliar, ela responde por crimes cometidos em variadas frentes na gestão, como desvios de recursos para a merenda escolar

Redes sociais Ex-prefeita exibia vida de alto padrão nas redes sociais

A ex-prefeita de Bom Jardim (MA) Lidiane Leite da Silva virou ré em mais uma ação de improbidade, desta vez, por suspeita de desvios de R$ 2,7 milhões em aluguel de veículos para o município.

O ex-marido e mentor de sua carreira política, Humberto Dantas, conhecido como “Beto Rocha”, e outros já conhecidos por acusações sobre desvios ao lado da ex-prefeita “ostentação” também sentaram novamente no banco dos réus. A decisão é de 17 de novembro de 2017 e foi disponibilizada no Diário Oficial da última segunda-feira, 8.

A prefeita ganhou notoriedade no meio do ano passado. Vaidosa, Lidiane exibia nas redes sociais imagens de uma vida de alto padrão, enquanto sua cidade, de 40 mil habitantes, estava à beira da miséria, com um dos menores IDHs do Brasil.

Carros de luxo, festas e preocupação com a beleza, o que inclui até cirurgia plástica, marcavam o dia a dia da moça que se candidatou pela coligação “A esperança do povo”.

Atualmente em regime domiciliar, ela responde por crimes cometidos em variadas frentes, como desvios de recursos para a merenda escolar, compra de caixões de luxo, obras de recapeamento de asfalto nunca executadas e reformas nas escolas.

Segundo o Ministério Público do Maranhão, nesta ação, a ex-prefeita fraudou o Pregão Presencial n° 17/2013, com valor aproximado de R$ 2,7 milhões, para aluguel de veículos para a pefeitura de Bom Jardim.

“A suposta vencedora foi a empresa A4, que não tinha nenhum veículo registrado e teria sublocado carros e caminhões para servir ao Município”, afirma a Promotoria.

Procurada pelo jornal O Estado de São Paulo, a defesa da ex-prefeita não se manifestou.