SEJA BEM-VINDO - Drogaria e Conveniência Muniz (84) 3259-0017/3636-0089 - Visão Contabilidade (84) 9 9110-5675/9 9221-3030 - CFC AUTO POTENGI (84) 3251-2627/ 9 9413-9088/ 9 9935-3295 - SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR.

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Grupo Guararapes recebe projeto para investir no estado do Maranhão

Empresa é alvo de uma ação do Ministério Público do Trabalho, que pede indenização de R$ 37 milhões por contratação de oficinas no interior do RN

CEDIDA Empresário Flávio Rocha (Guararapes) com o senador Roberto Rocha (MA)

Redação

Uma das maiores geradoras de emprego no Rio Grande do Norte, a Guararapes pode estar de saída do Estado. Alvo de uma ação judicial imposta pelo Ministério Público do Trabalho potiguar, a gigante do setor têxtil recebeu na semana passada o projeto da Zona de Exportação do Maranhão (Zema). A proposta foi levada até o empresário Flávio Rocha, presidente do grupo, pelo senador maranhense Roberto Rocha.

O parlamentar revelou o encontro por meio das redes sociais. Segundo Roberto Rocha, o convite para que a Zema fosse apresentada aos diretores da Guararapes partiu do próprio Flávio Rocha. “Fico feliz em ver que esse projeto vem despertando interesse no mundo empresarial mais avançado do País, e até mesmo no exterior. Flávio Rocha tem planos de expansão de suas fábricas de confecção, que geram milhares de empregos, e o Maranhão entra agora no seu radar de possibilidades”, disse.

Ainda de acordo com o senador, várias empresas já demonstraram interesse no projeto do Maranhão. “A receptividade é um estímulo para prosseguir nessa tarefa de viabilizar a Zema. Na verdade, a reação tem sido de surpresa, pelo fato do Maranhão e o Brasil não terem, até agora, despertado para a incrível dádiva que não aproveitamos, de nos tornarmos um hub mundial de comércio”, afirmou.

A ação do Ministério Público do Trabalho contra a Guararapes está em tramitação no Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Norte. Os promotores pedem uma indenização de R$ 37 milhões à gigante do setor têxtil devido à contratação de pequenas oficinas de costura no interior do Estado, dentro do projeto Pró-Sertão, que já gerou mais de 5 mil empregos diretos.
Desde o final do ano passado, quando a ação ganhou destaque na imprensa, várias manifestações com trabalhadores destas pequenas oficinas foram realizadas em diversas cidades a favor da Guararapes.

Agora RN