SEJA BEM-VINDO - Drogaria e Conveniência Muniz (84) 3259-0017/3636-0089 - Visão Contabilidade (84) 9 9110-5675/9 9221-3030 - CFC AUTO POTENGI (84) 3251-2627/ 9 9413-9088/ 9 9935-3295 - SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Mais de 600 mil pessoas estão na informalidade no RN, diz IBGE

Total de potiguares sem carteira assinada aumentou 4% somente em 2018, trazendo o trabalho informal para um patamar de risco maior à Previdência
José Aldenir/Agora Imagens Ambulantes no entorno do Midway Mall

Redação

O vendedor de doces e salgados, Erivan do Nascimento, 38 anos, há 10 anos trabalha por conta própria no entorno do shopping Midway Mall, no bairro de Lagoa Nova, na zona Sul de Natal. Ele relata que já não sabe fazer outra coisa e não pretende deixar a informalidade.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística do RN (IBGE), Erivan do Nascimento é uma das 585 mil pessoas que trabalham informalmente no estado. A Pesquisa Nacional por Amostragem Domiciliar (PNAD) Contínua, com números do segundo trimestre de 2018, revela um contingente de informais composto por 293 mil pessoas que trabalham sem CNPJ, além de 64 mil que executam atividades domésticas e 228 mil que estão no setor privado, mas sem a carteira de trabalho assinada.

Dados do IBGE mostram ainda que houve um aumento de quase 4% dos informais em relação ao segundo trimestre de 2017. O ambulante Erivan conta que foi difícil o início da sua vida no trabalho sem carteira assinada. “Para me manter no trabalho não foi fácil. Inúmeras vezes fui retirado daqui, mas eu não desisti. Até que hoje estou fixo no trabalho informal. Essa é minha fonte de renda e sustento minha família”, relata.

Para Ivanilton Passos, analista técnico do IBGE, a remuneração média do grupo dos informais é de R$ 776. Ele faz um alerta sobre a relação entre este grupo de trabalhadores e o setor previdenciário. “Alguns conseguem ganhar mais que um salário mínimo nessas atividades, mas esquecem da questão de legalizar perante a previdência social. Isso gera um problema seríssimo no futuro. Vai chegar um momento em que nós não vamos ter como pagar os aposentados ou mesmo os que estão na ativa do serviço público, por causa da sonegação dos não contribuintes”, explica.

Segundo ele, a informalidade significa ineficiência para a economia. “O mercado de trabalho com esse número de informais torna a economia ineficiente. São pessoas que não tem direitos trabalhistas, previdenciários e isso causa um mercado frágil, desorganizado”, conclui.

Agora RN