A carta de Bolsonaro

O marqueteiro de Michael Bloomberg defende que Jair Bolsonaro “abandone o discurso agressivo e escreva, do leito do hospital, uma carta à Nação deixando claro que apoia a democracia e que não levará ao Planalto uma agenda racista e homofóbica”.

Segundo Sônia Racy, o contato com o marqueteiro foi feito por alguém da ala de Luiz Philippe de Orleans e Bragança e “tem como objetivo combater a rejeição de Bolsonaro”.