Bolsonaro exonera Marcelo Álvaro Antônio do Ministério do Turismo

Decreto foi assinado na terça-feira, um dia após o ministro ser acusado de participação em suposto esquema de candidaturas 'laranjas' em Minas Gerais
Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo Foto: Jake Spring/Reuters
O presidente Jair Bolsonaro exonerou Marcelo Henrique Teixeira Dias, mais conhecido como Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG), do cargo de ministro do Turismo. O decreto foi publicado na edição desta quarta-feira, 6, do Diário Oficial da União, e não traz justificativas para a medida. Álvaro Antônio foi reeleito deputado federal em 2018 com a maior votação do Estado: 230.008 votos.
Exoneração do ministro do Turismo no Diário Oficial da União Foto: Reprodução
A exoneração foi assinada por Bolsonaro na terça-feira, um dia depois de o jornal Folha de S. Paulo denunciar que Álvaro Antônio teria participado de um suposto esquema de candidaturas "laranjas" em Minas Gerais com o objetivo de desviar recursos eleitorais e beneficiar empresas relacionadas ao seu gabinete.

Segundo a reportagem, quatro deputadas do PSL teriam recebido R$ 279 mil do comando nacional do partido de Bolsonaro para suas campanhas. Apesar de ficarem entre as 20 candidaturas que mais receberam recursos no País, elas tiveram votações baixas – menos de mil votos cada -, o que indica a possibilidade de que tenham sido de fachada.

Ainda de acordo com a denúncia, do total recebido, R$ 85 mil teriam sido usados para contratar serviços de quatro empresas de assessores, parentes e sócios de assessores de Álvaro Antônio.

Na segunda-feira, ele usou o Twitter para rebater as acusações e afirmou que a distribuição do fundo partidário do PSL em Minas Gerais cumpriu as exigências legais. Na ocasião, o então ministro disse que foi "alvo de uma matéria que deturpa os fatos e traz denúncias vazias", além de ser uma tentativa de desestabilizar o governo. "Reforço que a distribuição do Fundo Partidário do PSL cumpriu rigorosamente o que determina a lei. Todas as contratações da minha campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral", acrescentou.

Bolsonaro exonerou temporariamente no dia 1.º três ministros que possuem mandato na Câmara para que votassem na eleição à presidência da Casa: Onyx Lorenzoni (DEM-RS), da Casa Civil, Tereza Cristina (DEM-MS), da Agricultura, e Osmar Terra (MDB-RS), da Cidadania. Imediatamente após a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para o comando da Câmara, os ministros foram reconduzidos a seus cargos. O ministro do Turismo, no entanto, não estava envolvido na operação.

Estadão

Postagens mais visitadas deste blog

Avião cai com cantor Gabriel Diniz em Sergipe

Homem morre vítima de afogamento no Rio Potengi em Barcelona/RN nesta quinta-feira (25)