Conheça o ranking das dez melhores cachaças

A origem da popular bebida brasileira e o ranking das melhores cachaças

A história da cachaça está intimamente ligada à história do Brasil, isto não se pode negar. Segundo o livro de Luís de Câmara Cascudo, Prelúdio da Cachaça, a primeira cachaça feita em território nacional é do ano de 1532.
O primeiro espécime da bebida, feito na cidade litorânea de São Vicente, foi destilada pelos portugueses, que trouxeram além da cana-de-açúcar, as técnicas de destilação para o Brasil.

Inicialmente a cachaça era produto barato, mais consumida pelos escravos, mas logo caiu no gosto popular e se tornou, inclusive, moeda de troca para compra de produtos e escravos no mercado da época.
O preço da bebida chegou a ser tão alto que em 1660 houve um levante contra Portugal, conhecido como Revolta da Cachaça, que protestou pela diminuição dos preços cobrados pelo destilado.

Atualmente, a cachaça é reconhecida no mundo inteiro como a bebida originária do Brasil e tem ganhado cada vez mais status entre os apreciadores de destilados. O estado de Minas Gerais é o maior produtor de cachaça do país e conta com uma gama de cachaças artesanais sofisticadas que vem ganhando fama mundo afora.

A Revista Cúpula da Cachaça fez em 2016 sua segunda edição do Ranking da Cachaça, onde classificou as melhores cachaças do Brasil. Confira as 10 melhores cachaças segundo especialistas (comentários publicados pela coluna Paladar).

01 Porto Morretes Premium
Origem: Morretes (PR)
Maturação: 3 anos em barril de carvalho
Valor: R$ 83 (700ml)
Aromas frutados que rescendem a ameixa. Acidez e percepção alcoólica equilibradas. Uma cachaça redonda, sem arestas.

02 Reserva do Gerente Carvalho
Origem: Guarapari (ES)
Maturação: 5 anos em barril de carvalho
Valor: R$ 55 (700ml)
Adocicada, não tem acidez elevada nem álcool agressivo. Equilibrada, permanece bem na boca. Não sobra nem falta. Tem ótimo custo/benefício.

03 Companheira Extra Premium
Origem: Jandaia do Sul (PR)
Maturação: 8 anos em barril de carvalho
Valor: R$ 254 (700ml)
De textura aveludada, não se sente adstringência. Tempo adequado na madeira, não queima a boca, tem retrogosto interessante. Prazerosa.

04 Sanhaçu Umburana
Origem: Chã Grande (PE)
Maturação: 2 anos na amburana
Valor: R$ 115 (700ml)
Untuosa, perfumada, aromas frutados que se estendem para o paladar. Encorpada. É marcante da amburana, mas pode ser enjoativa para iniciantes.

05 Reserva 51
Origem: Pirassununga (SP)
Maturação: 3 anos em barril de carvalho
Valor: R$ 210 (700ml)
Baixa viscosidade, poderia ter recebido menos diluição. Aromas florais leves. Na boca, é equilibrada e agradável; poderia ter retrogosto mais persistente.

06 Leblon Signature Merlet
Origem: Patos (MG)
Maturação: 2 anos no carvalho francês
Valor: R$ 96 (375ml)
Nariz amadeirado, na boca a acidez é marcante. Mas o retrogosto não é persistente e o conjunto, apesar de acima da média, não empata com o belo visual.

07 Porto Morretes Tradição
Origem: Morretes (PR)
Maturação: 6 anos no carvalho
Valor: R$ 392 (700ml)
Madeira não predomina, deixando aparecer aromas de baunilha, castanhas e tostados. Bom equilíbrio entre doçura e amargor dos taninos. Suave.

08 Weber Haus Extra Premium Lote 48 (6 anos)
Origem: Ivoti (RS)
Maturação: 5 anos no carvalho francês + 1 ano no bálsamo
Valor: R$ 179 (700ml)
Bom acabamento no nariz, sem álcool agressivo; na boca surpreende por ser encorpada, ter acidez equilibrada e persistência.

09 Da Tulha Carvalho
Origem: Mococa (SP)
Maturação: 3 anos no carvalho
Valor: R$ 54 (750ml)
Álcool pouco presente no nariz, mas aromas discretos também. Untuosa, de acidez equilibrada, podia ter retrogosto mais marcante, mas é uma cachaça acima da média.

10 Anísio Santiago/ Havana
Origem: Salinas (MG)
Maturação: 8 anos no bálsamo
Valor: R$ 459 (600ml)
Aroma complexo, amadeirado e que rescende a bálsamo (madeira usada nesta bebida). Distinta, único defeito é a baixa untuosidade.

Postagens mais visitadas deste blog

Avião cai com cantor Gabriel Diniz em Sergipe

Homem morre vítima de afogamento no Rio Potengi em Barcelona/RN nesta quinta-feira (25)